Pressa do Serra encareceu obra do Rodoanel, afirmam empresas

28 out

Empreiteiras do trecho sul do Rodoanel dizem que a obra ficou mais cara devido à necessidade de correr para conter os atrasos e entregá-la até abril -antes de José Serra (PSDB) sair do governo para ser candidato à Presidência. Esse é um dos principais argumentos utilizados pelas construtoras para reivindicar da Dersa pagamentos extras que superam R$ 180 milhões.

Os pedidos à estatal foram formalizados de abril a junho, conforme documentos acessados pela Folha, e estão sob análise no governo. O Estado alega, porém, que esse prazo era contratual -obrigação delas, sob pena de multa a ser calculada.

A obra já teve um aumento em 2009 -mais de R$ 300 milhões, em valores atuais- e totaliza hoje R$ 3,3 bilhões.

As empreiteiras afirmam que chuvas atípicas provocaram imprevistos que afetaram os cronogramas.

Para conter atrasos, conforme pedido pela Dersa, dizem que tiveram de mudar o projeto original de terraplanagem e comprar pedra e asfalto em lugar distante, porque usinas e pedreiras previstas não conseguiriam produzir tudo de última hora.

O resultado final, segundo elas, é que os gastos aumentaram com novos materiais, maior quantidade de caminhões e de funcionários.

A tarefa de negociar com as construtoras para que a vitrine de Serra não atrasasse era do ex-diretor da Dersa Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto.

Ele ganhou projeção após ser citado por Dilma Rousseff (PT) em um debate -a petista disse, baseada na revista “IstoÉ”, que ele teria desviado R$ 4 milhões destinados à campanha tucana. O engenheiro nega a acusação.

Serra fez a inauguração do trecho sul do Rodoanel um dia antes de sair do governo.

ASFALTO E PEDRA

Alteração citada por empreiteiras para conter atrasos foi definida com a Dersa em novembro. Ela incluiu a troca de terra e argila por cimento e rachão na camada final da terraplenagem.

A “providência foi tomada”, segundo relato do consórcio formado por OAS/ Mendes Jr./Carioca, após “concluir” que era “a única maneira de viabilizar a entrega das obras no prazo fixado e em perfeitas condições técnicas e de segurança”.

O consórcio formado por Odebrecht/Constran menciona também a elevação de gastos com asfalto e pedras.

A proposta original era que 91% da pavimentação fosse feita em 2009, mas “praticamente a totalidade desse serviço teve que ser executada nos meses de janeiro a março de 2010”.

Como a usina de asfalto não tinha “capacidade para atender ao volume de repente demandado”, segundo as empresas, foi preciso buscar usinas complementares, de 10 km a 85 km de distância.Folha

Folha revelou esquemas das empreiteiras

Em uma série de reportagens iniciada em março, a Folha revelou, com base em documentos de quatro operações da Polícia Federal (Boi Barrica, Castelo de Areia, Caixa Preta e Aquarela), como grandes empreiteiras operam esquemas para fraudar licitações e repartir entre si obras e verbas públicas.

Os consórcios paralelos elegem os vencedores das licitações. Segundo a PF, o esquema agiu nas licitações dos metrôs de Salvador, Rio, Fortaleza, Distrito Federal e Porto Alegre.

http://www.osamigosdopresidentelula.blogspot.com/

 

Jornalista da Rede Brasil Atual responde a ofensa de senador do PSDB

28 out

O jornalista João Peres, da Rede Brasil Atual e da Revista do Brasil escreveu uma carta-resposta ao senador recém eleito pelo PSDB, Aloysio Nunes, que na segunda-feira (25) o ofendeu verbalmente, momentos antes do início do debate entre os presidenciáveis, na sede da TV Record, em São Paulo. O episódio foi lembrado na noite da quarta-feira (27) durante o ato que reuniu diversos representantes de setores da sociedade civil em defesa da democracia e da liberdade de expressão, pilares institucionais que vêm sendo sistematicamente atacados pela campanha de José Serra (e seus correeligionários).

Leia abaixo a íntegra da resposta de João Peres a Aloysio Nunes:

Senador, não tenho obrigação de me curvar ao poder

O senador eleito Aloysio Nunes (PSDB-SP) afirmou nesta quinta-feira (28) ao jornal Folha de S. Paulo que minha versão sobre o xingamento proferido por ele na última segunda-feira (25) é “mentira de petista”. Após me chamar de “pelego filho da puta”, diz o senador que sou “insolente.”

Vamos por partes. Quanto ao que me toca, o senhor sabe que não é mentira. O que eu lucraria inventando essa história? Como já lhe disse antes, sou jornalista, apenas relato aquilo que vi. Invenções, deixo-as para aqueles que se interessam por elas. Sobre o “petista”, senador, há coisas que a gente precisa provar quando fala. Essa é uma delas. O senhor pode revirar todos os registros do PT que não vai encontrar qualquer ligação entre mim e o partido. Se encontrar, pode escolher o local em que devo lhe pedir desculpas publicamente.

Se não encontrar, faz aquilo que deveria ter feito desde o lamentável episódio: retrata-se, mostrando que, como homem público, sabe reconhecer erros. Um colega seu, o prefeito Gilberto Kassab, já o fez uma vez e, ao que parece, segue vivo. A questão, senador, é que o mundo não está dividido entre tucanos e petistas. Recorrer a simplificações demonizantes, como se tudo que lhe ocorre de ruim na vida fosse culpa do PT, não vai resolver o problema.

Quanto à terceira acusação, a de ser “insolente”, contento-me em analisar o uso histórico desta palavra. Insolente era a característica que se atribuía aos escravos “rebeldes” ou “fugidios”. Depois, como nosso país não apagou certas heranças, passou a ser maneira como as elites chamavam aquele funcionário que tinha a ousadia de ter pensamentos próprios. É aquela empregada que irrita os patrões porque tem a insolência de atender o celular durante o trabalho. É aquele funcionário que enerva o chefe porque tem a insolência de propor que seu salário de miséria seja aumentado.

Então, sob os olhos da elite, sou mesmo insolente. Afinal de contas, não me agacho frente a uma pessoa pelo simples fato de ela ter mais posses ou mais poder do que eu. Muito pelo contrário, olho nos olhos de quem quer seja. Minha espinha, senador, nasceu com essa terrível mania de não se curvar. Sei que há colegas de profissão que não têm problemas em serem subservientes, em terem coleguismos com o poder. O senhor me perdoe, senador, mas não é meu caso, e isso não me faz insolente nem petista.

Diferentemente do que o senhor insinua, sou jornalista sem aspas, jornalista de verdade. Como lhe disse, sou formado na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP) e em algumas das redações para as quais gente de seu partido certamente dispensa grande apreço. Agora, se o senhor ainda não tirou o pé da Casa Grande, lamento. O meu já deixou a Senzala há algum tempo.

João Peres é jornalista, colunista do NR e repórter da Rede Brasil Atual

http://www.redebrasilatual.com.br/

 

Ciro: Serra é um farsante

28 out

Ciro é quem entende de Serra.

Chamou ele de farsante no blog Amigos do Presidente Lula.

E mais: de praticar violência, traição, jogo rasteiro, sujo e baixo.

E de passar um trator por cima da mãe, se preciso for.

Serra disse que Ciro era um “fósfora apagado”.

Veremos !

Paulo Henrique Amorim

 

Ficha Limpa. Gilmar sempre Gilmar: na treva

28 out
A História acolherá Gilmar Dantas (*) com espanto e vergonha

 
Saiu no O Globo Online: Com duras críticas à Lei da Ficha Limpa, Gilmar Mendes acolhe recurso de Jader

Depois que o Supremo conseguiu encontrar uma forma de aprovar a Ficha Lima, o que restou desse episódio foram duas frases lamentáveis do ex-Supremo Presidente do Supremo, Gilmar Dantas (*):

– Lei casuística para ganhar eleição no tapetão (sic).

– Acessos de moralismo, em geral, descambam em abusos.

Ainda bem que este ex-Supremo Presidente faz parte daquele Brasil atrasado, neo liberal, pefelista – o Brasil de FHC e Serra.

Clique aqui para ler sobre o artigo de Maria Inês Nassif e o requiem do PSDB.

Como se sabe, depois da Petrobrax, Gilmar Dantas (*) foi a mais nociva das heranças de Fernando Henrique Cardoso ao Brasil.

Como Serra e Fernando Henrique, a História o acolherá com espanto e vergonha.

Paulo Henrique Amorim

(*) Clique aqui para ver como um eminente colonista (**) do Globo se referiu a Ele. E aqui para ver como outra eminente colonista (**) da GloboNews e da CBN se refere a Ele.

 

(**) Não tem nada a ver com cólon. São os colonistas do PiG que combatem na milícia para derrubar o presidente Lula. E assim se comportarão sempre que um presidente no Brasil, no mundo e na Galáxia tiver origem no trabalho e, não, no capital. O Mino Carta costuma dizer que o Brasil é o único lugar do mundo em que jornalista chama patrão de colega. É esse pessoal aí.

 

FHC estava afundando a Petrobras, diz José Sérgio Gabrielli

28 out

Em entrevista ao jornal Valor Econômico, o presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, fez novas declarações sobre o sucateamento da Petrobras durante o governo Fernando Henrique Cardoso. De acordo com o dirigente, a empresa não só estava sendo preparada para ser vendida, como também estava afundando devido à falta de investimentos. Para se ter uma ideia, aponta o diretor, na era FHC a estatal brasileira investia menos de US$ 200 milhões por ano no setor de refino. Atualmente, a empresa investe US$ 200 milhões por mês. Segundo Grabrielli, se a companhia seguisse naquela mesma linha, ela certamente teria afundado. “A Petrobras estava sendo afundada. Se continuássemos inibidos nos leilões para deixar que os outros entrassem, se continuássemos preparando as refinarias para serem vendidas, se fosse mantida aquela política de enfraquecimento da engenharia interna e a redução do investimento, sem acelerar a contratação de gente, nós mataríamos a Petrobras”, disse Gabrielli.

A intenção do governo tucano, segundo o dirigente, era de implementar um conjunto de ações para inibir o crescimento da estatal, deixando-a cada vez mais pequena, dando espaço para o mercado internacional.

No governo Lula, afirmou Gabrielli, a Petrobras passou por uma profunda reestruturação, com vistas ao fortalecimento da petroleira e, mais recentemente, com o objetivo de se tornar a companhia líder mundial em exploração de águas profundas.

“Estamos preparando a Petrobras para ser a maior produtora de petróleo do mundo em águas profundas, que vai ter a responsabilidade de ser a única operadora do pré-sal brasileiro. Temos o maior crescimento da produção previsto por novas descobertas do mundo e temos três vezes mais unidades produtivas em águas profundas do que qualquer outra do mundo”, afirmou.

Para o deputado Luiz Alberto (PT-BA), o candidato tucano à presidência, José Serra (PSDB), e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, devem estar com a memória curta, quando afirmam que a Petrobras se fortaleceu na era FHC. “A Petrobras foi esquartejada no governo FHC. Houve contínua redução de investimentos em todos os setores, inclusive em manutenção, o que acabou culminando na ocorrência de graves incidentes nas refinarias, a exemplo do que ocorreu na plataforma P-36, que explodiu e matou 11 pessoas”, lembrou o petista.

Luiz Alberto também lembrou da onda de terceirização de mão-de-obra na estatal. Segundo o parlamentar, na era FHC existiam quatro funcionários terceirizados para cada efetivo. “O presidente Gabrielli está certíssimo ao afirmar que estavam querendo afundar a Petrobras. O governo Lula não só reverteu este quadro, como também fez dela a segunda maior petrolífera do mundo”, destacou.

http://www.ptnacamara.org.br

Que Tuma fique, para sempre, na nossa memória

28 out

Romeu Tuma, não nos esqueçamos, dirigiu o Departamento de Ordem Política e Social (Dops)Romeu Tuma faleceu no conforto do Hospital Sírio-Libanês, como senador da República e com poder político (ainda que declinante), enquanto muitos opositores da ditadura militar, que ele defendeu, amargaram a escuridão das celas e o desaparecimento. Manteve cativa uma legião de fãs, parte dela saudosa de uma época em que a liberdade tinha que prestar continência para poder passar. E plantou sementes que se mantiveram após a redemocratização, pois o Brasil segue vasto em terreno fértil para intolerância.

Respeito o sofrimento de sua família. Mas todos – políticos, jornalistas, cientistas sociais – os que foram críticos a ele em vida não podem se atirar na estúpida condescendência para com os mortos, seja atrás de sua herança eleitoral, seja em nome de uma demagogia barata ou do apaziguamento tupiniquim. Não nos esqueçamos que ele dirigiu o Departamento de Ordem Política e Social (Dops) durante a ditadura, instituição que moeu gente contrária aos verde-oliva e ao “Ame-o ou Deixe-o” dos anos de chumbo. Isso só para citar um ponto de sua controversa biografia, agora incensada.

Lembrar é fundamental para que não deixemos certas coisas acontecerem novamente. Que a história do delegado/senador seja contada e comentada como ela realmente foi, sem os retoques bonitos dos discursos políticos que começaram a florescer na tarde desta terça.

PS: Ao menos, Tuma era um rosto conhecido, público. Quantos outros delegados de órgãos de repressão da ditadura, sem contar torturadores, seguem anônimos, protegidos pela Lei da Anistia?

por Leonardo Sakamoto, no Blog do Sakamoto

 

Bala de prata: qual será a armação que a direita midiática está preparando contra Dilma

28 out

A fúria midiática foi surpreendida por pesquisas mostrando prejuízo para José Serra depois do factóide da suposta “agressão petista” que teria sofrido em comício na zona Oeste do Rio. Pelo visto, o aumento da vantagem de Dilma Rousseff detectado pelos institutos Datafolha, Ibope, Sensus e Vox Populi se deveu à descrença popular na encenação do tucano e na “prova”, forjada pela Globo, de uma segunda “agressão” naquele evento, ou ao aborto de Mônica Serra.

Outro factóide que pôs a fúria midiática em stand by no início da semana foi matéria publicada pela Folha de São Paulo ontem, que mostra que há muito mais de racionalidade nessa fúria – ou em parte daqueles que ela move – do que poderia supor a nossa vã filosofia. Surpreendentemente, a matéria foi sobre o imperscrutável governo paulista, com as suas montanhas de escândalos eternamente encobertos inclusive pelo jornal que surpreendeu.

Se a Folha quisesse mesmo investigar as escandalosas obras do metrô paulistano, obras que tiveram agora, surpreendentemente, uma de suas concorrências viciadas denunciada pelo diário mais chapa-branca paulista, teria que se manter no assunto por meses.

Surpreendentemente, o assunto ainda está em pauta ao menos no jornal que fez a primeira  denúncia que afeta Serra negativamente que a imprensa de São Paulo publicou em muitos meses, em contraposição às denúncias diárias que faz ao governo Lula há quase oito anos ininterruptos. Mais fácil do que crer em uma súbita conversão ao jornalismo por parte do jornal paulista, portanto, é supor que nesse mato tem coelho.

Da última vez que a Folha divulgou algum fato mais negativo para tucanos foi no fim de 2009, quando, depois de 18 anos, noticiou o filho secreto do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso com uma jornalista da Globo, fato que simboliza a promiscuidade entre tucanos e mídia como nenhum outro. E essa divulgação serviu para justificar um ataque hediondo que Lula recebeu daquele jornal, que colocou um desafeto do presidente para lhe fazer uma das acusações mais imundas que já lhe foram feitas, a do “menino do MEP”

Não parece exagero ou teoria conspiratória, portanto, prever que a divulgação sobre uma das muitas maracutaias que todos sabem que ocorre no governo paulista tenha tido como objetivo justificar o disparo da verdadeira bala de prata que está sendo forjada para tentar ajudar Serra a derrotar Dilma, pois, apesar de a mídia ter repercutido muito discreta e sobriamente o escândalo do metrô de São Paulo, o que denunciar contra Dilma será martelado até que as urnas sejam desligadas no próximo domingo.

A verdadeira bala de prata a ser disparada contra Dilma nesta eleição talvez seja o produto da ação do jornal paulista na Justiça Militar que tenta extrair de lá os arquivos da ditadura sobre Dilma, nos quais obviamente ela foi acusada de toda sorte de crimes para justificar as sevícias e o encarceramento que sofreu aos 19 anos de idade.

Ou talvez esteja no conteúdo do excelente trabalho investigativo que o repórter da Rede Record Rodrigo Vianna vem fazendo nestas eleições e que deu conta de que estaria sendo preparado um ato de violência por sequazes da campanha de Serra vestindo camisetas do PT, na linha do que este blog também supôs recentemente.

Ou, finalmente, talvez seja algum ataque mais pessoal a Dilma, sem relação com a sua militância na ditadura ou com algum suposto ilícito, mais na linha da moralidade, como demonstraram os boatos sobre aborto ou lesbianismo.

Só há uma certeza em todas as cabeças, seja de tucano, de petista ou da torcida do Corinthians: alguma armação contra Dilma a direita midiática está preparando, e é tão virulenta que foi necessário finalmente fazer alguma denúncia a Serra para Justificar o que será feito contra a adversária dele. É uma certeza oriunda da observação de oito anos de rancor midiático, ora convertido em fúria.

 

http://www.blogcidadania.com.br